sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Pergunta de leitora - Faminta



Você disse em um dos seus textos que a felicidade só pode existir no tempo presente. Não concordo com isso. Digo assim porque no meu caso ela só existe no passado. Hoje sou muito infeliz. Perdi meu emprego, estou sem dinheiro, sem amor e sem nada. Aliás, nem acredito que seja possível ser feliz nesse mundo. Acho tudo isso uma utopia. Ninguém é feliz de verdade. Quando eu tinha namorado, emprego, eu até me considerava feliz, mas quando a gente perde tudo isso a gente vê que felicidade é algo impossível. E quem pode ser feliz nesse mundo quando há tantas injustiças e tanta miséria? Como aquelas crianças na África que morrem de fome e inanição. Por isso que digo que minha felicidade ficou no passado e não me é possível agora. O que tem a dizer? Acha que a felicidade existe?

            Fiquei-me perguntando qual era sua intenção ao me escrever. Afirmar que a felicidade não existe ou pedir uma luz para você acreditar na felicidade? Digo isto porque ao mesmo tempo que você diz que a felicidade não pode existir para você, você também afirmou e reconheceu que ela existiu no seu passado. Você se contradiz!
            O passado, como o próprio nome diz, já passou e viver preso a ele é uma forma de tirar a responsabilidade que você deve ter para com o seu presente. Pode até ser que suas condições no passado lhe fossem muito mais favoráveis, mas quem disse que isso tem que ser sempre assim? Por que não acredita numa mudança para melhor?
            A felicidade não depende apenas das circunstâncias externas, mas se trata de um estado de espírito que se pratica. Você deve se perguntar por que pratica a descrença na sua felicidade. Será que há um prazer inconsciente em ser infeliz? Você deve se voltar ao seu passado não para se prender nele, mas para encontrar a razão porque não se permite ser feliz agora.
            Ao falar das crianças famintas da África você também está falando de você mesma. A inanição que você se refere tem a ver com o atual estado em que se encontra sua vida mental. Você está faminta por amor próprio e quer desesperadamente ser alimentada afetivamente. Você está sentindo que está  morrendo de inanição afetiva. Nossas mentes também precisam ser nutridas, portanto não pratique mais a autopiedade e procure o alimento que lhe falta.

Um comentário:

  1. Carlos (filho da prof. Isabel Cristina)22 de fevereiro de 2012 04:38

    Concordo com o fato de a felicidade ser um estado de espírito, o que torna afelicidade atemporal e relativa, pois cada um deve buscar viver a felicidade de acordo com que se sinta bem.

    ResponderExcluir